segunda-feira, 2 de maio de 2011

INTEIRO

Há uma luz iridescente vinda do teu olhar
que não se basta somente em aquecer a vida
que pulsa hesitante no meu mundo ─ esta caçada
inglória do rastro do verso e de uma saída

a qual se resume no absoluto sinônimo de armadilha,
miragem tentadora, dona das mil teses que dissertam
sobre um caminho mais sereno e o xis da poesia
se reduz num mapa impresso e acessível para os poetas.

Há uma luz fremente vinda do teu olhar
que abriga o armistício para esta guerra
de tantos eus mortos e naufragados no mar
da bandeira pirata do poema que me encerra

dentro de várias esferas, onde o fim não existe
─ feito os castigos de Zeus (suas penas perpétuas)
quando condenam definitivamente os poetas
à eterna e fracassada busca dos seus limites.

Há uma luz potente vinda do teu olhar
que desvenda as minhas sombras desobedientes,
que faz lembrar do teu doce e macio abraço quente
─ um escudo que nenhum punhal pode atravessar,

seja num golpe amador ou no de um arqueiro,
seja cravado na minha mentira ou na minha verdade.
Teu amor cristalino me enxergou por inteiro
mesmo quando eu só me via pela metade.

4 comentários:

João Luis Calliari Poesias disse...

Pra mim, a saída é essa sua aí escrita. Beleza.

O mundo de Dani disse...

.. um ser não conteve tal emoção ao ler um poema como esse, que de tão intrinseco e dito docemente, entrou dentro de um ser de alguém que espera o seu de outro alguém...

Parabéns, lindo o que escreveste!

Bejou, da Ballerina.

Jão disse...

Luz que inebria
causa espanto
alento
contentamento

olhar de menina
moça-mulher
força pra quebrar o espinho
luz na extensão do caminho

Bela poesia,

Abraços!

MARLOS DEGANI disse...

Pessoal,

Essa foi a minha primeira postagem no blog, o que somente foi possível pela gentileza do Barone. Obrigado a todos por tão gratas palavras que deixaram-me lisonjeado.

Beijos

Marlos Degani