terça-feira, 7 de dezembro de 2010

Missa Negra















Lucifer (par
Guillaume Geefs)

Missa Negra


As tachas de metal pela jaqueta
de couro são estrelas para mim,
uma constelação sobre uma preta
tintura como o sangue de Caim.

Com ares de macabra, me inquieta,
vontade de me abrir para o ruim,
os rins em polvorosa pela seta
são alvos desejosos por... enfim...

Proponho uma sessão com todo o kit,
há sordidez para qualquer fetiche.
Eu topo suas taras de tantã,

despindo da calcinha celulite,
estrias e orifícios de azeviche,
feitiços para a glória de Satã.

28 comentários:

celsopestana disse...

Cagaço não tenho, mas fiquei arrepiado.

Tomaz disse...

Bardo, esse poema me ganhou ! (como tudo o que provém de baixo).

Abraço, brô !!

BAR DO BARDO disse...

Celso Pestana,

muita calma nessa hora!
Hehehe...

BAR DO BARDO disse...

Tomaz ddo,

ainda bem que você gostou. Um é mais que zero...
Hehehe...
Valeu!

tonhOliveira disse...




... e as velas acesas?
vão nos castiçais-cloacais, nada mal!

oh noT!

betina moraes disse...

henrique,

eu vim só para dizer que vim, tipo "não faltar ao evento", mas não li e não lerei. nunca fui de dar trela ao tinhoso...

:)

um beijo!

Henrique Pimenta disse...

tonhO,

é lá mermo!
aaaaaaaaaaiiiiiiiiiiii, aí!

Henrique Pimenta disse...

Betina,

entendo e respeito.
Mas metáfora é metáfora.
E, no mais, eu sou um desaforado mesmo.

Beijo!

Mirze Souza disse...

Mestre!

Belíssimo soneto! Nem o tinhoso será capaz de encontrar um deslize.

Perfeito em tudo!

Bravíssimo!

Beijos

Mirze

felipe.cmarques disse...

Faaala Bardooo,

art punk sonnet gotic!

ou poema da rockeira no miça bar
escutando pinga e bebendo samba. (risos)!

sempre uma pintura sonetada!

abraço

Henrique Pimenta disse...

Mirze,

o dos cornos deve de ter gostado.

Beijo!

Henrique Pimenta disse...

Felipe,

já havia mostrado pra zuncê.
Acho-o mais tenebroso do que as mais tênebras trevas!
Meio grind-gothic-punk-bêbadoshabilidosos...
Abraço!

José Carlos Brandão disse...

Era tanta a luz de Lúcifer, que cegou. Penso em Lúcifer como um poeta.

Henrique Pimenta disse...

O estivador da luz é poeta, sim.

Abraço, Mestre Brando!

Sylvio de Alencar. disse...

Eu topo suas taras de tantã,

despindo da calcinha celulite,
estrias e orifícios de azeviche,
feitiços para a glória de Satã.


Vejo um humor tão bem presente em seus versos...
Criamos uma entidade e depois nos recusamos a nomeá-la...: o ser humano é engraçado; da mesma forma que não quer admitir tudo que tem dentro de si: de 'bom', e de 'ruim'.

Gosto de vc, pois como um poeta, brinca com as coisas que temos, em vez de escondê-las e fazê-las maior que nós, que lhe damos guarida e as usamos para sermos quem somos nesta vida.

Tudo que somos, e temos, é sagrado.

Falou brother. Gostei!

Abrçs!

Henrique Pimenta disse...

Grande Syl,

você agora desnudou toda a verdade. Poesia é isso. E eu sou poeta.
Obrigado pela declaração.
Um abraço, brother!

Francisco Quase São disse...

Muito bacana esse blog!

Gostei muito!

Se puder, me siga também!

www.borboletasesquizofrenicas.blogspot.com

Adriana Godoy disse...

Ah! Pimenta! Seu poema é uma glória para os mortais. Demais. Bj

Henrique Pimenta disse...

Francisco,

que bom que gostou, porque há muita gente boa aqui!
Visitarei o seu blogue.

Felicidades!

Henrique Pimenta disse...

Adriana,

grato pelas palavras!
Beijo!

Rayuela disse...

bizarra,gótica,postmoderna,punk misa negra en soneto.(también irónica, diría)
y que viva la poesía!


un saludo, maestro*

homensdopantano disse...

solta o capeta aí mano! libera o cara dessa.

Henrique Pimenta disse...

Ray,

basicamente poética (risos!).

Agradeço pelo carinho!
Felicidades!

Henrique Pimenta disse...

homens do pântano,

tá liberado!

Barone disse...

BRAVO! BRAVO!
Meu poema da semana no blog.

Henrique Pimenta disse...

Falou, brother BAR 1!

Flavio Machado disse...

Um grande soneto, muito bom companheiro
abs

Henrique Pimenta disse...

FM,

agradeço pela leitura!
Abraço!