domingo, 19 de dezembro de 2010

Breviário di’versos

 Breviário di’versos

1.

quero a palavra disforme
análoga à forma das nuvens
prenúncio de coisas tardias
vazio sem nome –
             buraco negro a engolir estrelas.

quero o verso vazio
poesia de coisa nenhuma
silêncio em seu contrário
vazio sem nome –
             Sputnik a vagar no espaço.

quero o regresso à terra
o abraço do solo escuro
anúncio de coisas inúteis
vazio sem nome –
              Morte a engolir a vida.


6 comentários:

Isaias de Faria disse...

ja li várias vezes. e não paro de ler esse seu poema. gosto cada vez mais.

Henrique Pimenta disse...

uma viagem

várias

Unknown disse...

Encanto e magnitude sobre o que vês! O simples cantar dessa hipocrisia vivente, desse mal (des)necessário que nossa propria mente submerge, emerge, faz e refaz descontente com as sombras que os próprios passos produz!

Encantador e magnificente escrito, poeta!

L. Rafael Nolli disse...

Flávio, como comentei no blog do Isaías:
fico orgulhoso em ver meu brothers produzindo obras de tamanha qualidade!
Abraços!

Unknown disse...

Não posso me cansar de reler vc...

flaviooffer disse...

Valeu pessoal,
Isaias, HP, Nolli e Kiro pelos comentários!!! Bem-vindos sempre!!!
Paz e Poesia a todos!!! Feliz Natal e 2011 Precioso a todos!!!
Grande Abraço!!!