sábado, 18 de dezembro de 2010

Naveguei

Sim, naveguei!
E foi mar a dentro
e diante dos ventos
que busquei os pedaços.
Foi encharcado de vida
que curei as feridas
da alma e dos braços.
Olhando gaivotas
migrei outras rotas
sem nenhum farol.
Senti calafrios
nadando sombrio
em busca de sol.
Sim, naveguei!
E foi navegando
que fui te apagando
em meus oceanos.
A boca salgada
não mais afogada
nos teus desenganos.
Naveguei eu sei...
Pra longe de ti...
Pra um mar tranqüilo...
Onde o azul dos teus olhos
sejam o passado...
Ou esse céu
que insiste em me fitar...

6 comentários:

Adriana Godoy disse...

Muito bonito esse poema em que se navega incertezas. Bj

Adriana Godoy disse...

errata: em que se navegam incertezas.

Albuq disse...

Belo.

Agência PSD Designer Ltda. disse...

LEGAL TEU BLOG... TO SEGUINDO.. SEGUE-ME

LUCRE COM SEU BLOG:
www.psdesigner.com.br/entretenimentos

Seu blog é divulgado aqui após cadastrar-se

SIGA-NOS:
www.psddesigner.blogspot.com

OBRIGADO!
Marcos Roberto

Isabela Escher Rebelo disse...

Que belo poema! Há imagens simples e poderosas nesses versos =)
Também sou escritora, de linhas e poemas, e busco esse nível de sensibilidade constantemente... Se quiserem me ler, o link do meu blog, "O livro está na mesa", é: http://olivroestanamesa.blogspot.com/
Lembrei-me de meu poema "Sombra Libertina" ao ler esses versos, pois aquele também é simplesmente belo. O link é: http://olivroestanamesa.blogspot.com/2010/02/quarta-feira-de-cinzas-esta-aqui.html
Carpe diem!

Kiro Menezes disse...

Ao fascínio, um brinde e espumas...
Somente ao fascínio me remete tuas dunas, nuances de um olhar que vaga... busca longe o horizonte e poetiza!!!

Fascinante ♥