sexta-feira, 19 de março de 2010

Loucura&Silêncio

imagem: Murat Harmanlikli

Não fosse esta loucura
serias mais que abstração nesta linguagem de ícones
que se movem como formigas gigantescas
a carregar consigo as lembranças.

Não fosse este silêncio
regressarias de tuas viagens, mesmo com ressaca de viver
ou tédio a corroer tuas esperanças que em vão
se movem como ratos a remexer latas na despensa.

Não fosse esta loucura
estarias presente em meu cubículo a bater-me na cara,
coagindo-me a dizer mentiras que lhe agradam,
apenas para salvar-lhe da névoa que encobre teu rosto.

Não fosse este silêncio
viria possuir-me o teu espírito em noites sem lua
em tempos de mistério e sombra, simplesmente
pra fazer gracejos e brincar sobre meu corpo quente.

Não fosse esta loucura
não serias só palavras rabiscadas por mãos trêmulas
em muros carcomidos, onde a alvura da cal
não esconde os desfavores do tempo.

Não fosse este silêncio
não terias ido embora pra longe destes olhos
deixando a este louco apenas o consolo
de versos obscenos no espelho do banheiro.

Mas, terias me libertado.
Desatando os nós que nos envolvem;
quebrando este silêncio que devora
as entranhas sufocando em nós o ânimo.
Quebraria este espelho que revela
a nossos olhos as misérias
a que nos condenamos;
Romperia o cordão que injeta em nós venenos.
Abortaria, pois, este desvanecimento
que nos rouba lentamente um do outro,
tornando loucura a tudo que um dia
dissemos querer da vida.

7 comentários:

Vera Pinheiro disse...

Gostei bastante, Flávio, não fosse a necessidade de corrigir "dispensa" por "despensa". Adorei os "versos obscenos no espelho do banheiro", dentre outras passagens poéticas intensas. Um abraço.

Flávio Otávio Ferreira disse...

Muito bem, Vera! Agradeço o toque! Abraços!

continuando assim... disse...

Convite para ler

O livro "Continuando assim...", foi maltratado...

Resolvi por isso, e porque tanta gente não encontra o livro onde deveria estar (nas livrarias), recontar a história , lá no
…. Continuando assim…

Vamos em metade da história, o livro reescrito , não está igual (nem podia) ao que foi editado.
Um obrigada especial a quem segue (pois só vale a pena assim).
A quem chega de novo, umas boas vindas sinceras. E outro obrigada .

Mais uma reflexão em relação a todo este assunto, e um conselho, se é que me é permitido:

--- quando vos pedirem dinheiro para editar as vossas palavras, simplesmente digam que não ---
Bj
Teresa

Lírica disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
evandro mezadri disse...

Belíssima poesia, muito bem escrita e estruturada.
Gostei demais.
Grande abraço e sucesso!

Cíntia Thomé, Jornalista, Poeta . disse...

De ponta a ponta um bravo clamor do que vivemos, estamos no meio, tivemos flores nos quintais ao invés de miséria e lixo como vemos em casas ...moradias infames ao cidadão brasileiro e muitos hoje de nós em gaiolas , apartamentos com medo de tudo...não há flores nem mais nas janelas...vivemos o lado de lá com flores e hoje elas são mortas...

Adorei!

L. Rafael Nolli disse...

Flávio, belo poema. Um dos muitos poemas excelentes de seu novo livro! Um abraço.