terça-feira, 16 de março de 2010




















FUGA


É tarde, quase noite.

Chove lá fora,

e o vento que se usou como açoite

já se acalmou agora.


Vejo os fracos e finos fios de luz,

de uma vela,

atravessarem a janela

e tentarem, inutilmente, iluminar a rua.


Posso sentir a inaudível voz

de um homem a falar.

A chuva foi forte, não lhe trouxe sorte,

destruiu o seu lar.

As pessoas falam alto, andam depressa,

tropeçam na sala e caem na copa.

Já é noite, triste, angustiante.

E o silêncio se instala.

A música, ouço-a ao longe,

começo a sonhar,

de uma doce saudade

ela me fez lembrar.

Tudo acontece, nada posso ver.

Tudo adormece,

volto a viver,

pois me lembro de você.

1979



4 comentários:

Ju Fuzetto disse...

Que fantástico!

Parabéns lindo demais!!
abraço

RoB Dangal TV disse...

Eles abordam os prêmios "Rob Dangal TV - 2010"
Participe votando seus blogs favoritos. Este ano serão concedidas 10 blogs de destaque eo mais votado será o "Blog do Ano". Blogs podem ser nomeados para qualquer plataforma: Blogger, Live Spaces, Wordpress, etc.
Enviar e-mail de votação até 5 blogs que você gosta, com seus nomes e links para: rob.dangal.tv @ gmail.com.
O prazo para recepção de votos é 10 de abril.
Obrigado por participar!

Cíntia Thomé, Jornalista, Poeta . disse...

Ton

Muito bom teu poema de 79...lembrar no meio deste cenário...
Bravo!
ab

L. Rafael Nolli disse...

Belo e singelo esse poema, Ton.