quinta-feira, 21 de julho de 2011

Reverso

Atirem-me pedras e elas enfeitarão o meu caminho.
Machuquem meu coração e ele baterá ainda mais forte.
Arranquem lágrimas dos olhos e minha visão se amplia.

De todo modo, se puderem,
Joguem sobre mim pétalas de todas as cores,
Acariciem o meu peito com delicadeza
E me façam chorar de emoção e alegria.

Não tenham dó dos sentimentos que desperto.
Apenas tentem não me odiar,
Se não puderem me amar
Ao menos um pouquinho.

8 comentários:

Ana Ribeiro disse...

A palavra tem o poder de reverter realidades. Ânimo, poeta.
Um abraço,
Ana

(CARLOS - MENINO BEIJA - FLOR) disse...

Parabéns pela força demosntrada nesse poema. Isso mesmo, não se abater com cr´ticas ruins ou coisas mal faladas, seguir em frente, mas ao mesmo tempo, pediu flores àqueles que têm pedras na mão. Gostei muito. Beijos

Jota Effe Esse disse...

Odiar, nunca. Amar, sempre. E coincidentemente no meu último post falo de pesadelo. Um abraço.

BAR DO BARDO disse...

A lira. Ai, a lira...

L. Rafael Nolli disse...

Vera, beleza de poema.

Tomaz disse...

Intenso e interessante !

Cristiane disse...

Belo poema, delicado e doce.
Abraços

VERA PINHEIRO disse...

Amadas e amados,
Gratidão e carinho com beijos meus.