quinta-feira, 27 de janeiro de 2011

squared times square

A luz da manhã ilumina a cidade que eu vejo.

O meu desejo iluminado, talvez

Pela fome que eu tenho,

Talvez pela vontade também.


A luz da cidade confunde-se com a aurora

E suas calçadas coloridas minha fome decora.

Tudo devoro. tudo. A quinta avenida,

Fluídos substanciosos às minhas tripas.


A luz da noite desliga o dia,

E é dia 24hs por dia.

Minha pálpebra inicia


O desejo desnecessário da fome.

O homem é consumido

Pelo que consome.

2 comentários:

Kiro Menezes disse...

Inevitavelmente... assim o é.
Em caso de Poetas, Poesias, Poemas, Versos... e até rimas desconexas!!!

Um delicioso ver, Poeta.

^_^•

L. Rafael Nolli disse...

Com certeza, Marcos! O homem é o lobo do próprio homem!
Abraços!