terça-feira, 18 de janeiro de 2011

O Baú do Fim

Essas fotos que não tiramos,
as carícias que nao trocamos,
as promessas que não pagamos,
as memórias que não escrevemos...
Ainda haverá lugar pra tudo?
Pra esse silêncio do mundo,
ou para esse corte profundo
do amor que não vivemos?
Separei os vinhos fechados,
os lençóis ainda dobrados,
os medos não revelados
e as verdades não vividas.
Juntei as cartas não feitas,
e aquelas frases perfeitas,
com as melhores receitas
que não foram servidas.
Tudo neste baú do fim,
arrancando você de mim,
esquecendo de tudo enfim,
e seguindo outro caminho.
Tudo muito bem guardado,
pronto para ser enviado,
sem remetente anotado,
para ser feliz... sozinho!

5 comentários:

Henrique Pimenta disse...

... uma caixinha de pandor(a)...

Bela Ju disse...

há pouco tempo escrevi algo parecido...

Não mais...


Quem se importava
agora
não importa mais

O telefone que tocava
agora
já não toca mais

A mensagem que chegava
agora
já não chega mais

O e-mail esperado
tornou-se inesperado

O casamento que faríamos
não faremos mais

Os filhos que teríamos
não teremos mais

A viagem agendada
agora é
desmarcada!

O amor que era eterno
agora ... é jamais!

Julia Campanucci
http://belinhaxpan.blogspot.com/2010/11/nao-mais.html

***************************

Planos


Planos, sim eu fiz
Fiz pra você e pra mim
Planos, planos de aprendiz
As vezes grandes, as vezes mirim

Planos,
Um bar com piano
Amores insanos
Com você todo ano

Planos,
Uma tarde num jardim
Você inteiro pra mim
Aquele abraço sem fim

Planos,
Sim, planos
Todos eles em um plano
Bem guardados...
Nos meus sonhos flutuando!

(Julia Campanucci)
http://belinhaxpan.blogspot.com/2008/12/planos.html

Kiro Menezes disse...

Nossa... deixou-me triste... Quantas vezes planos e sonhos já não foram enterrados, desnutridos e ressequidos...

Teu escrever faz jus ao comentário de Julia, que também é belissímo!!!

Fico encantada em cercar-me de Poetas assim!!!

=D

^_^•

Ana F. disse...

a ironia é que no baú do fim tudo se esquece de acabar...

Priscilla Calaça disse...

Esse poema descreve o meu momento agora...

Belíssimo!