quinta-feira, 21 de outubro de 2010

E não estavas lá...

Eu me arrumei todinha!
E tu não viste.

Botei vestido novo,
Água de cheiro,
Salto alto para ficar
Mais perto do teu pescoço!
E não estavas lá
Para tecer estrelas comigo
Em noites de luar.

Quis te dar notícias boas,
Compartilhar tristezas,
Lançar apostas no futuro,
Fazer do agora um presente,
E me vi sozinha,
Sem a tua presença.

Lamento que não tenhas visto
O tudo de bom que me tornei
Depois de ti,
Justamente porque não estavas lá.

9 comentários:

Anônimo disse...

Nossa! Simplesmente perfeito!

Anônimo disse...

Adorei!!! Mt bom!!!

Albuq disse...

Simlesmente adorei, adoraria dizer isso a alguém, porque passei por isso exatamente assim!

perfeito os versos!

VERA PINHEIRO disse...

Que bom que vocês estão aqui para eu compartilhar o que vivi por alguém que não estava lá.
Beijos e carinho.
Ah, estou com blog novo:
http://verinhapinheiro.blogspot.com

Victor Meira disse...

Que triste e saudosista... Fiquei pensando sobre o elemento ausente. Sobre o terno e as flores que ele comprou pra alguém que, por sua vez, também se ausentava da cumplicidade de seus empreendimentos sensíveis, de suas humanidades derretidas e amores de sobra...

E é engraçada a ferramenta formalíssima, na utilização da segunda pessoa do singular. A memória passa a acontecer vestida de lustres, diamantes e salões europeus de festa, excesso de maquiagem, boemia e wealth.

Ô vida...

VERA PINHEIRO disse...

Victor, que belo acréscimo! Só para lembrar: sou gaúcha e apesar de morar em Brasília, onde predomina o "você", continuo falando "tu", que acho lindo.
Abraço para ti.

L. Rafael Nolli disse...

Vera, é um poema que tem vida, que nos faz pensar nos personagens envolvidos, nas vidas que levavam... Um poema especial, com certeza!
Abraços!

Jonathan disse...

Gostei de mais!! É um poema que tem vida!!!

Abraços!!!!

Anônimo disse...

é .. quem nunca fez tudo isso, para encontrar aquela pessoa em algum lugar! Já disse a música " ando por ai querendo te encontrar, em cada esquina paro em cada olhar" ... vezes por timides, Muitas por orgulho.