quarta-feira, 20 de outubro de 2010

alinhamento

antes da poesia havia o espanto
nascido da observação do tempo

não era de alegria
não era de tristeza

transbordava em palavras
a transcendência do sentir

a poesia é o mote
o poema artifício da desordem

4 comentários:

Victor Meira disse...

Que louco isso!

Aliás, quanto custa o espanto?
Até junto uma grana...

L. Rafael Nolli disse...

Flávio, um poema cortante que se encerra em uma estrofe afiadíssima!
Abraços!

Rodrigo Passos disse...

lindos versos!!

Jonathan disse...

Que poema maravilhoso!!! Tem uma lógica e ao msm tempo poesia!!
Gostei demais!!

Abraços