sexta-feira, 9 de julho de 2010

quero a noite

rascunho de mulher/ rafael godoy

ainda que o corpo clame
sinto em mim um deserto morno
a luz que bate de manhã e me faz fechar a cortina
tenta entrar pelas frestas da outra janela
bem-te-vis gritam em desarmonia
cadê os pardais?
os projetos em cima da escrivaninha me olham
os livros que não consegui ler empilhados
e bananas apodrecendo na fruteira
ontem dormi em outra cama
e ouvi : amor, quer café ou suco?
hoje ouço os carros e as pessoas indo pro trabalho
e sei que breve estarei lá misturada nas ruas e nas pessoas
as notícias das crianças do haiti e as enchentes
as atrocidades sem medida e as tragédias
os deuses devem estar dormindo há séculos
esse sol me atordoa quero a noite
e a brisa que soprava do mar

18 comentários:

Úrsula Avner disse...

Oi Adriana, já tinha lido esse e é um dos melhores de sua autoria que conheço... Poética descrição do cotidiano com aspectos existenciais expressivos... A tela do Rafael é bela. Bj com carinho,

Úrsula

sidnei olívio disse...

Concordo em tudo com a Úrsula. Beijos.

Lara Amaral disse...

Realmente, demais esse poema!

Beijos.

dade amorim disse...

Bom demais, Adriana.
Beijo.

nydia bonetti disse...

Eu não conhecia, Adriana. Uma obra prima. Daqueles, para serem guardados. beijo.

Crônicas do Cotidiano disse...

É só na noite que os sonhos teimam a acordar e os medos passam a dormir!
Bjaum e já sigo esse admirável blog!

Leonardo B. disse...

[da noite, na noite guardam-se as palavras que não sabem adormecer; escondem-se na pele do dia... há sempre um olhar diferente em cada nocturno de poesia, uma palavra que se descobre, mesmo que não esquecida]

um imenso abraço, Adriana

Leonardo B.

Lídia Borges disse...

Um diálogo muito interessante entre a imagem e as palavras: o preto e branco a sobressair.

L.B.

Mirze Souza disse...

Embora conhecer, ele fica diferente em outro espaço.

Esse poema é obra prima, sim!

Um dos que mais gosto.

Eu também quero a noite, como quis a Benedita.

Beijos

Mirze

Tenório disse...

Adriana, esse poema é brilhante, é obra prima mesmo. Um pedaço de vida condensada. Parabéns!

Adriana Karnal disse...

Dri,
lindo...tbm que a brisa do mar.

L. Rafael Nolli disse...

Adriana, belo poema, como disse o Tenório "um pedaço de vida...". Achei-o drummondiano. Realmente um poema especial. bjs

Benny Franklin disse...

Seu poema é gozo no sexo do mundo.
Belo!

Adriana Godoy disse...

Agradeço a todos a leitura e comentários tão expressivos! Fico feliz que tenham gostado. beijos.

rogerio santos disse...

Muito bom Adriana... bjs !

Barone disse...

"e sei que breve estarei lá misturada nas ruas e nas pessoas"

Adriana, sempre forte.

José Carlos Brandão disse...

Valeu rever. É poesia forte, sempre.
Beijo.

BAR DO BARDO disse...

exagera cândida

parabéns!

:)