sábado, 24 de abril de 2010

____. curta





Sem ler-te...
tateio a poesia
em busca do olhar
último gravado
à curta retina

ora temo luz
ora escuridão
sigo-te avulto
e sonâmbulo




***


não seja o último jamais
mas o mais recente olhar
e para sempre destemido
à luz ou à escuridão
o perene poema infindo
a mão tateando a perfeição
da poesia que ocupa o lugar
de barco tocando o cais





5 comentários:

L. Rafael Nolli disse...

Hercília, antes de mais nada parabéns, tudo de bom para ti! Sobre a poesia, ou melhor as poesias, digo que gostei muito da dobradinha. Há um diálogo entre os dois poemas, um segredo compartilhado que curioso vamos tentando descobrir. Abraços.

Joe_Brazuca disse...

tudo isso que o Nolli disse, repito...

lí-vos, nesse cais...

Adriana Godoy disse...

Que diálogo, heim? Muito bom mesmo. Parabéns aos dois. Bj

Barone disse...

Belo, belo belo!!!!

Cíntia Thomé, Jornalista, Poeta . disse...

Esse sentir com o o outro é muito bom, sublimação e onírico Parabens. Você é uma das minhas preferidas no mundo de blosfera...

bj