sexta-feira, 26 de março de 2010

Remocejo



Vinda de qualquer lugar é aquela vontade

Da mocidade de encontrar a si, um mi(m), em (n)dós, quiçá
Dá. Ah, se dá. Virilidade e coragem, um padrão já tão antigo
Puído. Roído como as pernas do cidadão

Foge. Foge não. A vida está à espera de ti pra rolar
Entre as pernas do tempo, embrenhar a idéia
Que vem do intento de tentar, vêm, vêem rolar
Para soldar o tempo que está por trás e detrás do vento
Que aformoseia o rosto da menina, com cabelos revoltos no ar

Te convido pra amar. Se amarrar. Se esforçar
Mulheres, garotos padecem de ti e merecem um sim
precisam do pão que untam seus seios
Meninos, abrigo suas donzelas procuram
carecem do ão que forjas com a mão
Acolham-se, supram o canto que sai do ventre

Agora nós, a frente desse grande palco
Juntos ao final do ato. Pendemos em dizer
"Sim, sim. Foi muito bom viver."
Tivemos a quem ceder e conceder um braço amigo
Um peito cálido e um fardo de emoção
Gorjeios mil, elogios outros e não por poucos
Perdemos a razão e digo: "De nada foi em vão"!

6 comentários:

Joe_Brazuca disse...

como diz a sábia cantilena : "melhor pecar por excesso, que por omissão..."

viver enquanto há vida, é a melhor maneira de não se morrer...

abs

TON disse...

Uma ode à vida. Um poema à vida. Poesia viva. Viva a poesia.

Excelente!!!!! Umas das coisas mais gostosas que li nos últimos tempos. Parabéns!!!!

TON disse...

Uma ode à vida. Um poema à vida. Poesia viva. Viva a poesia.

Excelente!!!!! Umas das coisas mais gostosas que li nos últimos tempos. Parabéns!!!!

Leo Curcino disse...

belo poema, pedroca. cada dia mais polido. eu tb sempre prefiro tentar.

Lírica disse...

...Bastante coisa pra pensar... e me agarrei a uma idéia tirada daí: por que manter e repetir e ceder a esse padrão puído? Ou melhor... é óbvio porque cedemos. Mas é hora de pensar em outros jeitos. Melhor ainda: admitir que muitos já estão pensando e experimentando outros jeitos.

Pedro Xudré disse...

Eu vejo que todos sentiram a essência de que mudar é preciso.

Seja em qualquer relação humana que temos. Seja em qualquer área de nossas vidas.

Seremos culpados pelo não tentar, o tentar nos é dado todos os dias.

Obrigado à todos que apreciam nossos poemas, digo nossos por que é fruto de todos nós, do somatório que contribuimos para cada um.