domingo, 17 de janeiro de 2010

teoria da relatividade


"ontem apenas cem corpos foram enterrados"
diz o repórter ao vivo de porto príncipe

nada de insensibilidade nenhum descaso
questão de matemática pura e simples

onde mais de cem mil morreram onde mais de
vinte e cinco mil corpos em vala comum em dois

ou três dias já foram enterrados — cem corpos
cem mortos enterrados em um dia

é dolorosamente pouco muito pouco quase nada


Márcia Maia

6 comentários:

Renata de Aragão Lopes disse...

Matemática de dor.

Belo poema, Márcia!

Lírica disse...

Eu pareceria a pá do coveiro se comentasse tais mortes... ou as ervas que crescerão sobre os mesmos.
Mas sei que a morte, só um pouco mais nova que a vida, ainda nos estarrece. E se as placas tectônicas, mais velhas do que a vida, ainda estão se acomodando...

L. Rafael Nolli disse...

Márcia, taí um poema que eu queria ter escrito! Gostei!

Flávio Machado disse...

Esse poema é de uma beleza extraordinária

bjs
Flávio

Victor Meira disse...

Belo texto, Márcia. Não tem sensibilidade barata, é papo sério.

Legal, viu?

Joe_Brazuca disse...

sem corpos

(des)humanidades

todos mortos agora

ontem, semi-mortos

por toda hora...