sexta-feira, 1 de janeiro de 2010

Caminhos

O tempo disparou à minha frente
e esqueci de acompanhar seus passos.
Fiquei aqui, sentado, olhando o tempo fluir
por entre seus olhos de pássaro.

O vento se perdeu por entre seus cabelos
e não lembrei de sentir seu cheiro.
Fiquei aqui, perdido em mim,
olhando o tempo sumir.

Então lembrei daquele caminho de pedras
por onde você me guiou, menino entre farpas.

3 comentários:

BAR DO BARDO disse...

Esse é o mais difícil, e talvez seja o único a ser trilhado pelos homens...

2010 supimpa, meu caro Barone!

Diario da Fafi disse...

Olhos de pássaro....

Tão bonito esse poema, tão cheio de beleza e singeleza.
Me encheu olhos de ternura.

Beijos e feliz ano novo!!!!!

tenório disse...

Seus poemas são tão puros, tão naturais, faz parecer que não há esforço nem suor. São elementais, feito água, terra, ar, fogo.