quinta-feira, 17 de dezembro de 2009

quase um poema de natal


eu queria um natal sem luzes
sem sinos sem coroas sem presentes
sem festas de confraternização
onde se repete quase escandindo
(e à exaustão) a palavra so-li-da-ri-e-da-de

eu queria um natal mais solstício
que natal — um natal pagão —
um natal simples sem palco
onde a gente ousasse ser apenas gente
como a gente que a gente é nos outros dias



Márcia Maia

6 comentários:

tania não desista disse...

oi,márcia!

natal é mágico!..nossa alma alegre
ou triste...acende ou apaga suas
luzinhas brilhantes!
seremos personagens ou figurantes!
bjos
taniamariza

Ana Cristina Cattete Quevedo disse...

Também gostaria de tudo isso, Márcia!
Mas tenho muita fé na humanidade...quem sabe um dia? =)

L. Rafael Nolli disse...

Olá, Márcia. Esse é o Natal que eu quero! Abraços.

Renata de Aragão Lopes disse...

Fantásticos, Márcia:
poema e mensagem!

Joe_Brazuca disse...

Bravo !...e eis o REAL mistério da fé !

Feliz esse Natal seu, que é nosso...

Muito bom !

Flávio Machado disse...

Oi parceirinha, engraçado, eu não tinha lido o seu poema postado, e postei um poema de natal também, belo poema.

bjs
Flávio