segunda-feira, 9 de novembro de 2009

Benedita

exercício para aquarela/ rafael godoy
a daniel lopes

quando Benedita me disse que já era noite
não acreditei
porque em seus olhos brilhavam dois sóis
e o chá que ela trazia
tinha o aroma de infância
então quis pular da cama
mas suas mãos negras e quentes
me seguravam
e sua voz dizia para eu dormir

depois de noites acordada
ruminando sonhos destoantes
deitei a cabeça em seu colo
e pude dormir como dormia nos braços de minha vó

Benedita cantou canções e dormiu com meus sonhos
a noite ficou doce e suave
e tinha gosto de quintal e de manga caída do pé

(publicado originalmente no blog Voz)

31 comentários:

Adriana Karnal disse...

Nossa,Adri, eu conhecia esse poema, mas ele é de um lirisomo tocante.
Meigo demais, no bom sentido poético.

Hercília Fernandes disse...

Este poema, Godoy, é inesquecível, assim como as gostosuras da infância.

Muito bom relê-lo aqui no Poema Dia, aquece a menininha que há em nós.

Um beijo :)
H.F.

Obs: A aquarela do Rafael, como sempre, belíssima!

sidnei olívio disse...

Podem nos tirar tudo, menos as lembranças da infância. Belo poema Adriana. Bj.

rogerio santos disse...

que singeleza adorável...
bjs, Rogerio

Valdeir Almeida disse...

Maria,

Esse estilo de poemas é um dos que mais gosto. É uma poesia narrativa, que aliás, é muito bonito. Parabéns.

Muito obrigado por seguir meu blog. Estou seguindo também o "Poema Dia". Fique à vontade para visitar meu blog e comentar, ok?

Beijos e uma excelente semana pra você.

BAR DO BARDO disse...

Não conhecia, Adriana. Excelente. Mestria de composição.
Beijo!

Lou Vilela disse...

Dri,

Não conhecia essa belezura. Acalenta lembranças sequer vividas. ;)

Beijos

Renata de Aragão Lopes disse...

Já conhecia o poema
e foi um prazer relê-lo!

Versos e aquarela
impecáveis...

Beijo.

Wania disse...

Adriana

Pude sentir cada linha, cheguei a sentir o cheiro do chazinho e escutar as suas canções de ninar!
A poesia é mesmo mágica, nos leva longe!


Parabéns, ficou lindo demais!
Bj carinhoso pra ti.

IMS disse...

Salve a Benedita da minha infância!

Benny Franklin disse...

Que Benedita hein?
De prima!

Lara Amaral disse...

Sentimos ser cuidados ao ler este poema, assim como o eu-lírico.

Maravilhoso!

Beijos!

Felipe Marques disse...

lindo poema!

bendita a tua poesia, dri.

beijos, lipe.

pianistaboxeador21 disse...

Como eu já disse, é um lindo poema e eu fico muito grato e lisonjeado de receber uma homenagem assim. Muito obrigado mesmo.
Beijão

Úrsula Avner disse...

Oi Adriana, uma delícia de poema que traz um pedacinho doce da infância de volta... Um mimo ! Bj.

Adriana Godoy disse...

A todos que leram e deixaram seus comentários, agradeço de coração.

Daniel, é bom sentir que gostou de novo e fico feliz de ter dedicado esse poema a você.

Beijos.

Anita Mendes disse...

amo esse teu poema e a tmb a Benedita!(rs)
beijos e mais beijos flor!
Anita.

Marcos Satoru Kawanami disse...

poema alusivo à Irene de Manuel Bandeira? aconchegante.

Adriana Godoy disse...

Anita, a Benedita é nossa! Bj

Marcos, pode ser que tenha ficado na memória a Irene preta, a Irene no céu...só depois que escrevi é que percebi essa semelhança.bj

Talita Prates disse...

Que maravilha, Adriana!
Dá vontade de, no colo da Bem-dita!, ouvir tal canção de ninar gente grande.

Bjo grande. :)

Mirse Maria disse...

Embora já conhecesse, me embeveci com a Benedita!

Quem não?

Lindo, Dri!

Beijos

Mirse

Joe_Brazuca disse...

Adriana

que maravilha !

fez a todos, certamente, lembrarmos com saudade e carinho imenso, as nossas "Beneditas"...

Sua poesia é extraordinária !

sopro, vento, ventania disse...

Adri, querida, veja, eu já conhecia Bene, Benedita, de sua outra postagem lá no "Voz" e, da primeira vez, senti pena por não tê-la conhecido, e, agora, senti sua falta, como se já a conhecesse. Porque alguém assim, com esse colo, e essa força toda, capaz de nos fazer aquietar o pranto, Deus!, esse alguém deveria estar presente na vida de toda a pessoa desse mundo, para que todos pudessem ter a suavidade de conduzir a vida com essa sabedoria toda que você tem (o que, em alguma parte, talvez, tenha ocorrido dessa forma - em suas veias - em função de ter um efeito-Benedita; e em outra parte, por você ter esse olhar adoçado pelo colo que Benedita lhe deu). Um beijo, desculpe-me pela viagem, mas, hoje estou mais insuportavelmente sensível que nos outros dias. Vontade de abrir os braços e voar. Cynthia

Adriana Godoy disse...

O que eu posso dizer depois de tantos comentários lindos assim? Meu ego infla e meu coração fica feliz. Obrigada mais uma vez a todos e, certamente, a minha Benedita é também de vocês!! Beijos.

L. Rafael Nolli disse...

Belo. De se ler e reler.

Ton disse...

Começo a ler com os olhos do adulto e termino relendo com a criança desperta por este poema mágico de tão terno e simples.

Parabéns, mesmo!

Ton

Assis de Mello disse...

Aposto que essa Benedita sabia fazer bolinhos de chuva como ninguém.
Viva nossa Dita e a dita cuja da Autora !!!

Marcelo Novaes disse...

Adriana,





Visceralmente carinhoso.








Beijos,







Marcelo.

Vinícius Paes disse...

Esse é um de seus poemas que vejo mais beleza, é puro e nostalgico. Lindo.

beijos.

Tarcísio Buenas. disse...

senti cheiro de manga.

bj

Carlota Joaquina disse...

Amei a Benetida. Amei!