quinta-feira, 18 de junho de 2009

O Câmero e a Olha

Ela, envolta de longos cílios
um topo negro vestido de lágrimas

Ele, constituído, todo em gala
cabeça fulgente em peito robusto, armado

Entre o juiz sagrado
esparramado e etéreo,
um fluido tácito ungindo e velando a união

A moça engatilha o canhão do macho
Ele dispara a eternidade dela
quanto mais velha, mais se avoluma seu vestido
e o velho não muda muito

Desse casamento, ela vira uma mestra
e ele só enferruja e envelhece
mas quem morre primeiro é a moça

Todo o amor feito pelos dois fica vivo
e o velho ainda vai ter com outras.

9 comentários:

huga katia disse...

Oi linda! obrigada pela sua vizitinha no meu blog, amei o seu cantinho! bj*

Esterilização Obrigatória disse...

Vem ver no nosso Blogue, a entrevista com a Alexandra do Bazar do Ronrons, e sabe a realidade dos gatos em Lisboa.
http://esterilizacao-o.blogspot.com/

* Bela* disse...

Oláa, gostei do seu blog e decide deixar minha marca!

Venha deixar seu brilho no meu glamour dos sentimentos e embeleze sua alma nesse dia!

=)

Tenha um lindO diA!

Editoria RJ disse...

Excelente Victor, excelente!

Bea - Compulsão Diária disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Bea - Compulsão Diária disse...

corrigindo

Quanta imaginação, Victor. E os versos belinhos, singelos:=)

Agora, vem cá. São amigas suas ou são os tais spammers?

L. Rafael Nolli disse...

Sinceramente um poema muito sedutor - a "história" nos pega, o desenvolvimento é preciso, rico em sugestões e imagens. Gostei, Victor!

Adriana Godoy disse...

Bom de ler, bom de sentir. Gostei muito. Bj

Francisco Coimbra disse...

Gostei, mas é “uma bela” com senão. Eu conto o que não gostei, tentando dizer o porquê. Comecemos por este, no ponto que vou citar o sentido ia a voar e bateu no chão ou numa nuvem, não importa, tirou-me a atenção. Continuei até ao fim mas, mesmo no fim, é dessa desatenção que desenvolvo o comentário. Vou então citar: «Ele dispara a eternidade dela», cá para o meu entendimento ele disparava a eternidade dele e eu continuava feliz e contente disparado na boa da leitura, envolvente q.b. Ah, parabéns, acabo onde comecei (gostei)… Li teu comentário, valeu.