segunda-feira, 11 de maio de 2009

Quase pronto

espreita...


Que as palavras venham,
Despertando dobras.
Há algo deitado
Resto sem nome
Nem sentido.


E deslizando livres,
Feito cócegas,
Ericem poros, dores
Papilas e pelos.

Façam ponto em cada ponto
- seco ou indisposto -
Do poema à espera
De corpo ou esboço
Nesta página, campo
E pouso transitório
Dos silêncios sob a vigília
De minhas feras à espreita.

 

© Compulsão Diária
MyFreeCopyright.com Registered & Protected

 

21 comentários:

José Carlos Brandão disse...

É isso: o poema à espera das palavras. Como a proposta de Drummond no Procura da Poesia. Com leveza.
bjs.

Benny Franklin disse...

Poemaço! Do tamanho do talento da familia "Pontes". Boa, Bea!

Sônia Brandão disse...

Um poema se faz com palavras, disse Mallarmé. Ou com raízes de palavras, como o José Carlos completou, para que o poema nasça, como uma flor brota da terra.
Beijos.

Olhos de Folha Minha disse...

que nas fresas venham o que se embrenhou no corpo, tão necessário
como as cinzas do grafite que ficam embrenhadas no papel a cada letra e o tempo não leva e nem o vento...

beijos

Anônimo disse...

QueridAmiga Bea,
Este é o caminho. Está de parabens.
Beijos,
Regina Lyra

tonhOliveira disse...

Costurando palavras,
bordando letras,
temperando a língua.
Degustando sensibilidades...

:) beijos

Joe_Brazuca disse...

o seu campo está pronto !

sua página semeou a palavra, na calada da noite em espreita...e surgiu no sol de "Sapain", quase pronto ao "mezzogiorno"...

Bom, muito !

Marcelo Novaes disse...

Bea,


Que as patas deixem pegadas. E os silêncios, pausas.




[E espaços entre as palavras].





Beijos,

Adriana disse...

Querida, hoje é seu dia! Lindo mesmo.São desdobramentos mil nesse poema.

Renata de Aragão Lopes disse...

"Que as palavras venham
(...)
de meus silêncios e feras
à espreita"

Lindo!

zel disse...

Excitante. Estimula nossa imaginação.

Adriana Godoy disse...

e que se façam as pegadas; poéticas! muito lindo. Bj

Tião Martins disse...

Mistério novo há de pintar por aí...

Saramar disse...

Um poema desvelando "dobras", soltando "feras"... é exatamente o que suas palavras sempre constroem, para nosso deleite.

beijos, saudades

Compulsão Diária disse...

Um grande abraço e meu muito obrigada!

Vera Pinheiro disse...

Bea, minha linda, como és bela! Inteira! Plena em teus versos, que me sensibilizam, encantam e me tornam tua admiradora.

Guto Leite disse...

Beíssima, adorei algumas imagens, o ritmo, as palavras escolhidas com esmero. Senti falta de uma linha levando tudo pelo braço, mas altamente compensada por um talento que sobra.
Grande beijo, grande escritora!

sidnei olívio disse...

Adorei.

Doroni disse...

CD,
Um poema é feito de palavras
e as palavras são mágicas, poderosas e estãos sempre a espreita. De repente surgem, despertam sonhos, fantasias e percorrem um campo minado, deixando pegadas fértil de sentimentos.
Adorei!

Papagaio Mudo disse...

mais uma compulsão!
bjos,

>¨<

Anônimo disse...

Oi Beatriz, gostei muito do poema, muito bom de verdade

bjs
Flávio Machado