domingo, 17 de maio de 2009

poeminha cínico


mesmo o mais cinzento dos domingos
diz-se azul quando amanhece

ainda que em meio a terremotos
maremotos tempestades

mesmo o amor mais corrosivo sabe
a mel quando engatinha

ainda que respingue sangue e fel
a cada passo

mais importa o prometido que o
que encerra

à luz dos dias a crua e cínica
e vã realidade

sendo assim seguem sempre azuis
e doces os amores e os domingos —

a propaganda é a alma do negócio
bem se sabe



Márcia Maia


14 comentários:

Adriana Godoy disse...

bonito e azul como um domingo....

Benny Franklin disse...

Domingo completo!

Tenório disse...

Qualidade extrema na elaboração das ideias e da linguagem. Muito bom!

Guto Leite disse...

Gostei muito do abrir de cortinas do poema, Márcia! Um belíssimo mote. Grande abraço e arte!

Renata de Aragão Lopes disse...

"mesmo o mais cinzento dos domingos
diz-se azul quando amanhece"

Ótimo!

Compulsão Diária disse...

Márcia,
fã é suspeita pra comentar, portanto vai elogio "mesmo'.

O mesmo aqui é salto pro novo. Elaborado, cheio dessa graça que vc coloca com a parcimônia de poetisa excelente que é.

É de uma sinceridade quase cínica;))

Tião Martins disse...

Poemão sincero!

Assis de Mello disse...

Muito lindo e sincero, Márcia.
Propaganda bem feita é promessa de bons negócios !!!!

Udi disse...

e amor dá audiência nénão?
:)
bj!

samuca santos disse...

grande poema!
também, márcia, vindo de você, não é nehuma novidade...
parabéns!

Felipe da Costa Marques disse...

Verdadeiro Poema!

Abçs!

Felipe Vasconcelos disse...

Mais um lindo poema, Márcia!

Flavio Machado disse...

Oi parceirinha belo poema, como sempre belo, belo, belo

bjs
Flávio

rogerio santos disse...

esse poema é tudo de bom... simples e lindo... sem nove horas...