terça-feira, 5 de maio de 2009

A BOCA DE UM PÉ !


Sarjeta em cacho.
O olhar vaga em circulo,
em oração.

(Que nem...)

Branca argamassa
que parida fode o ouro
e acentua o poema.

(Que nem...)

Turva aparência
que trôpega trafega
a ermo.

(Que nem...)

Ávida penumbra
que escora a boca de um pé
— o esterco —
e jamais a ausência,
a façanha da foice.

Poema de ontem.
O poeta resmunga em pêndulo,
em nada.

© Benny Franklin

Sobre a obra:
Pseudo-poema que usa frauda e patina a seu modo.

Fotografia:
Gentilmente cedida por "NãoSouEuéaOutra".
Pseudônimo da Artista Plástica "Maria Hernandez".
Lisboa-Portugal

17 comentários:

Audemir Leuzinger disse...

mais um benny de responsa. adorei.

Anônimo disse...

Orgânico poema, com seus elementos metafóricos... Muito interessante, dá a sensação de estar preso a um quê que não depende de você.
Parabéns aos dois, o poema e à fotografia maravilhosa.
abraços
Cristiano Melo

L&L-Arte de pensar e expressar disse...

GOSTEI DE SEU BLOG PARABENS QUANDO DER VISITE O MEU WWW.PALAVRASARTEBLABLABLA.BLOGSPOT.COM

Renata de Aragão Lopes disse...

"O olhar vaga em círculo,
em oração."

"O poeta resmunga em pêndulo,
em nada."

Gostei demais!

Deathtagrazyta disse...

Adorei seu blog...
e o poema tbm bjão

Tião Martins disse...

Benny, esse foi com o pé direito!

Compulsão Diária disse...

Poema foice façanha de ontem

Adriana Godoy disse...

e o pêndulo se movimenta com as palavras...bom demais. Beijo.

Guto Leite disse...

"Pseudo-poema", poeta? Que nada! Poemaço! Fiquei ainda digerindo dois versos ("e jamais a ausência / a façanha da foice"), mas os demais me pareceram feitos pra estar ali. Grande abraço e efusivos parabéns pelo poema!

Guto Leite disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Barone disse...

Gostei Benny.

l. rafael nolli disse...

Poemaço.

fernando cisco zappa disse...

bate pronta
e depois
bate de letra

você hoje
foi de uma sutileza:
"o poeta resmunga em pêndulo,
em nada"

de prima
meu caríssimo

Adriana disse...

muito bom mesmo, já disseram.

fc disse...

Caro parceiro de dia, as imagens, as figuras, o estilo… aparência turva (“turva aparência”) entranhando a estranheza, até um final bem conseguido sobre a posição tomada… «O poeta resmunga em pêndulo,/ em nada.»

Olhos de Folha Minha disse...

Turva aparência
que trôpega trafega
a ermo.

(Que nem...)

Ávida penumbra
que escora a boca de um pé
— o esterco —

O poeta é impedido por vezes ir, , mas volta e tenta...

OSHF

Joe_Brazuca disse...

"Ecce Benny !"
grande Poeta de pseudo-meta-poemas !
abs
Joe