quarta-feira, 22 de abril de 2009

Tentativas

Inspiro e a inspiração não me desvela a poesia.
Guardo o ar no umbigo, onde nadam pássaros e moram meus medos.
(Em segredo), transpiro todos os meus porquês.
Expiro a xilogravura parada na prensa, palavras de cerâmica e instantes eternizados em barras de chocolate.

Foi ontem, mas o quando se confunde porque hoje é o único tempo que nos pertence.
Lúcia Gorini

12 comentários:

Assis de Mello disse...

Belíssimo poema, Lúcia. Bem inspirado, transpirado e expirado. A imagem dos pássaros no umbigo é impactante e sensual.
Vc faz xilo ?
Um beijo,
Chico

Compulsão Diária disse...

Tentativa de concentração em meio a dúvidas e inspiração poética

Victor Meira disse...

É lindo demais, Lúcia! Tem muito esmero nas figuras e na escolha das palavras. É muito bonito. As figuras do segundo verso lembram magritte, e as "barras de chocolate" são grosseiras, estão junto ali da prensa e da cerâmica. Tá tudo no lugar, com muito bom gosto e beleza.

Me satisfiz na leitura.
Beijó!

Joe_Brazuca disse...

sua tentativa me acertou em cheio...
suas cerâmicas untadas com chocolate me mostraram meu presente, ontem, hoje, sempre e quando...

muito bom, Poetisa !

um beijo

Sandra disse...

Oi amiga. É no blog
http://sandraandradeendy.blogspot.com/
Lá tem outro link, que leva a um poeta-um vôo livre.
Venha conferir.
Sandra

Fernanda Copatti disse...

Como assim, Lucinha??? "instantes eternizados em barras de chocolate.". Que maravilha é essa??? AmoO!
Beijos

Tião Martins disse...

Vi no seu perfil: publicitária... coitada! Padece dos mesmos males que eu... rs!
Mas gostei dos poemas (vi seu blog). Essa barra de chocolate saiu de algum comercial...

Lúcia Gorini disse...

Colegas,
Adorei os comentários!
Respondendo ao Chico, não faço xilogravura. Sou filha de uma artista que fez muitas. Talvez daí, tenha tirado esta figura.
Víctor, que bom que gostaste das figuras! Elas realmente pertencem ao meu íntimo e, vieram à tona, quando mergulhei no preocesso criativo.
Joe, brigada! Nós poetas, moldamos palavras como os ceramistas moldam o barro! Com chocolate fica tudo mais gostoso. :-)
Fê, bem assim mesmo. Um dia te conto. Longa história! rsrsrs... Vais escrever quando aqui no blog, também quero comentar!
Tião, publicitária, sim. Perder a ternura, jamais! hehehe...
Um beijão a todos! Amei a troca!!!

Benny Franklin disse...

Muito bom!

Tenório disse...

Belo poema!

Helena disse...

"Guardo o ar no umbigo, onde nadam pássaros e moram meus medos."

Lindo de viver! amei! Parabéns.

beijo,

helena

Felipe da Costa Marques disse...

"(Em segredo), transpiro todos os meus porquês."

E o amanhã?

Sábias Palavras, Lúcia!

Abraço