sexta-feira, 3 de abril de 2009

outono verdadeiro

e no início era o outono
o outono estava em Deus
e o outono era Deus
não existem mais folhas
podemos ver tudo
vento que varre
tudo que vem antes de sermos carne
o outono é uma aula perfeita
do meu descontentamento às ilusões perdidas
corro contra o verão
no inverno perco o tato
como invejar a primavera?
as rosas não falam
lembra?

6 comentários:

Compulsão Diária disse...

Aula de poesia. Encanto diante do seu desencanto.
gostei de "corro contra o verão(..) e a alusão à música cabe!
As rosas não falam, lembra..aliterou, rimou com primavera.

Muito bom

Benny Franklin disse...

Poético! Muito bom.

Fernanda Fernandes Fontes disse...

Eu não só me lembro, como não esqueço de esquecer o silêncio delas....Ah o outono, início das dores do inverno...

Bjs!

http://degustacaoliteraria.blogspot.com

Victor Meira disse...

Cartolou lindo no fim, Audemir (vou até ouvir aqui um pouquinho). A poesia é livre, onírica, de sentidos clássicos e não por isso menos verdadeiros ou latentes.

É cheia de beleza sóbria.

Adriana Godoy disse...

Bonito o seu outono, não sei se verdaeiro, mas, belo.

Barone disse...

Muito bom meu velho.