segunda-feira, 23 de março de 2009

A SAUDADE EM 3 ATOS

I -
A saudade é perpétua
no intervalo
em que acontece.
Será que ela existe
- já que tudo que vive perece?
Será ela um elo
imaginário
que me une
a quem amo?
Um escape?
Um placebo?
Uma dor
que concebo
- e nem percebo -
para abrandar
a dor
da ausência?
A ignorância
de uma impaciência?
Uma farsa
de que o amor
é comparsa?
O reencontro
alinhava
esse corte
- ferida
que reabre
às despedidas.
A saudade não tem
como sina
a morte.


II -
Para a saudade
- elixir calmante
que intoxica
os amantes -
não há antídoto
ou algo
que a trate.
É como tempo perdido:
foi-se.
É sentimento exaurido:
foice
- a cujo rasgo
se costura
sem arremate.
Um engasgo
sem tapa
nas costas.
Uma ardência
sem o alívio
do sopro.
Um choro contido:
à mostra.
Um coração partido:
amostra
- caco de vidro
refratário.
A saudade
está perene
no calendário
- a datas não se mata.


III -
À saudade,
só uma ameaça:
a de que a graça,
o encanto
até por quebranto
se quebre.
Pois, enquanto
houver amor,
das entranhas
ela será febre.
Estranha
será, depois,
se houver
rompimento.
Ex-amor,
ex-saudade
dobram
juntos
o cruzamento.
E se desdobram
na dúvida
de que parti:
existiram por si
ou por invento?


Renata de Aragão Lopes

19 comentários:

angela disse...

Renata, é pra fazer um comentário, mas estou sem palavras! Como já disse, você se supera! Lembrei-me de um caso que li, onde uma menina de 11 anos, em estado terminal por causa do câncer, ao se referir às saudades que sua mãe sentiria quando ela partisse, proferiu, para o médico, a seguinte definição: "você não sabe, tio? saudade é o amor que fica!" Beijo enorme!

TON disse...

Linda poesia. É de deixar saudades!

Tenório disse...

Colega, que poema magnífico. Acima da média, outra coisa, outra estória. Poema de poeta grande. Sensacional, mesmo. Parabéns.

dani-jf disse...

Amei!
Profundo, melodioso, divertido, gostoso de ler ...
Que orgulho!

Ana Clara disse...

Renata, já tive a oportunidade de ler esse poema anteriormente. Já disse daquela vez e agora repito,...fantástico, lindo mesmo!!! Só vc pra desmembrar a saudade em 3 atos tão perfeitos. Se você quiser, inclusive eu traduzo para o espanhol...hehe!!! Grande beijo, com saudades!!!!

Adriana disse...

"Uma ardência
sem o alívio
do sopro." assim é o seu poema, arde, mas as palvras aliviam.

L. Rafael Nolli disse...

Concordo com o Tenório: acima da média, coisa de gente grande mesmo. Um belo poema!

Compulsão Diária disse...

Renata, estupendo e da maior sutiliza.
Numa tarde de chuva, ler seu poema é fevre e refresco. Estranhamento.

Blogger do Zat disse...

Renata, dessa vez você realmente se superou!
Falou de um tema tão inexplicavel como a saudade com uma propriedade, uma leveza e uma melodia que cala fundo na alma.
Você sabia que poucas línguas têem a palavra saudade? Uma das coisas mais difíceis é tentar traduzir essa simplória palavra, que representa um sentimento tão primário e intenso quanto o próprio amor. Bom que agora temos seu poema para nos ajudar!
Parabéns, realmente é linda a sua obra.

Márcio disse...

Renata, voce é o elixir que me acalma, o sopro que alivia a ardência da minha saudade, voce é simplesmente maravilhosa. Parabéns. Beijos.

Anônimo disse...

Renata,

Quem disse que saudade não se escreve, apenas se sente? Ao poeta que nos toca a sensibilidade pelas palavras, nada é impossível. Está escrito. Estou sentindo. Lindo e profundo Renatinha!!!! Saudade de você!
Por: SandraRegina - Rio

Renata disse...

Fiquei lisonjeada e muito feliz com os comentários!

Papai e amigos, obrigada pelo carinho.

Colegas de poesia, obrigada pela generosa crítica.

Sandrinha, obrigada pela visita e por ter, um dia, despretensiosamente, iniciado tudo isso.

Até...

Vera Pinheiro disse...

Renata, a um tema tantas vezes repassado, a emoção nova, dolorosa e bonita. Amei! Grande Poeta! Maiúscula! Beijos de parabéns, com admiração pela tua arte.

Márcia disse...

Muitos questionamentos sobre, provavelmente, uma invenção; que hoje não só EXISTE, como dói com uma força tremenda!!! Adoro a forma como você escreve, Renata! Você consegue harmonizar, poeticamente, uma sensação que remete a um grande sofrimento, e uma reflexão racional sobre este mesmo tema. MARAVILHOSO!!!

Renata disse...

Obrigada, Vera! Amei o "maiúscula"! É adjetivo de quem também escreve. rs

Márcia, notei que você captou perfeitamente o conteúdo do poema. Tão bom isso: constatar que me fiz entender! Obrigada e um abração!

Tião Martins disse...

Que bom que vc me chamou pra vir aqui, Renata. Vc fez bonito com um tema difícil pra caramba, daqueles que, se a gente bobeia, desmancham.

Fiquei com vontade de ler mais coisas suas. E olha que sou desleixado, preguiçoso e alguma coisa mais que eu esqueci.

Beijos!

Renata disse...

Desleixado, preguiçoso e esquecido! rs
Obrigada mesmo pela visita.

Olhos de Folha Minha disse...

EMOCIONADA, NOS TRILHOS DE UM CORAÇÃO CORRE O VAGÃO MAIS BONITO, O DA SAUDADE... DO DOCE NUM CORPO AS VEZES, AMARGO, SALIVAS...ENGOLINDO SECO E NÃO CONSEGUINDO MAIS CHORAR

Renata de Aragão Lopes disse...

Comigo não foi diferente, "Passageira da ilusão".
Volte sempre...