domingo, 8 de março de 2009

DA PARTE QUE ME TOCA OU RABISCOS PRA MULHER QUE ME DESEJA (CONQUISTOU)

Na mão estendida e vazia
Na morada do silêncio, onde dorme o eco de tua voz
Na janela das noites estreladas
Ao sabor do vento tua sensualidade me alimenta.

Nu com minha alma, re-visito teu íntimo
Adoço teu corpo com meu olhar desejante
Traduzo mensagens de meu peito
Com poemas sem pé nem cabeça.

Mais forte do que qualquer outra coisa
Torno-me servo e guardião de seus encantamentos
A brisa da vida baliza, transforma a pele suada
Enquanto o desejo percorre uma via de mão dupla.

Na hora de amar
Vamos com toda sede ao pote
Sorte minha a sua sorte
A felicidade é uma arma zen.

7 comentários:

Isa Trivelato disse...

Lindasssss palavras...

E que na hora de amar, seja mais q felicidade, desejo ou sorte, seja tudo isso e mais um pouco, num misto de sentimentos, medos e desejos!

Parabens!

Adriana disse...

Ainda existem homens assim, com essa visão a respeito da mulher! Que belo!

Compulsão Diária disse...

Desejo em via de mão dupla é o ideal. Bom e velo amor

Wahsington disse...

Dá prá ler sem respirar, na fata de folêgo da pancada no peito onde bae um amor. LIIINDA!!!!!

Victor Meira disse...

O último verso é verso-de-efeito, e é inusitado, Cleber. Legal.

Bacana,
Abraço!

Hercília Fernandes disse...

Uma linda externalização de sentimentos com viés de homenagem.

Gostei do seu poema, Cleber. Especialmente as coisas e sensações que ele suscita.

Abraços,

H.F.

Washington disse...

ERRATA

Dá prá ler sem respirar, na falta de folêgo da pancada no peito onde bate um amor. LIIINDA!!!!!

8 de Março de 2009 20:45

Desculpem-me pelos erros. Eu tinha acabado de chegar de umas e outras e os dedos no teclado não acompanharam o pensamento.