domingo, 22 de fevereiro de 2009

Alma das Coisas

O guerreiro morreu.


Ao contrário dos índios, não comi sua carne.


Juntei sua lança e a pendurei na parede.


Não fiquei mais bela, mais forte, ou mais sábia.


Fiquei mais lança.





Lúcia Gorini.

5 comentários:

BAR DO BARDO disse...

Li primeiro lá. Releio ora cá. Continua bom do mesmo jeito...

Tenório disse...

Poema filosofal, gostei muito!

Vera Pinheiro disse...

Gostei também! E muito!

Anônimo disse...

Bem legal! Entendi de primeira! Parabéns, Lúcia!

Barone disse...

Gostei também.