domingo, 11 de janeiro de 2009

Interlíngua


Ce suis je
Sujeito
Je suis cela

Na floresta
Perdida
Je suis chat

Nesta flor está
Tudo e tanto
Cuidado
Que o contato

Todo

Num pulo
Se perdeu
Flor que resta

Detrito
Abjeto objeto
Moi, je crois

Sou esta

Estrela inquieta
Mar
Sou enigma

Em noite quente
Sou lábil
Cifra em suspense

Entre

A língua e o mundo
-intersentida-
Sou toda narrativa



Imagem
Drawing Hands, M.C. Escher, litografia, 1948

14 comentários:

Olhos de Folha Minha disse...

Você é toda a narrativa, inquieta estrela, o sol desponta redondo como suas letras, palavras....Desabrocha Flor.Parabens "n" vezes ...Cintia Thomé. bj

Joe_Brazuca disse...

Saint-Saëns

tocaria poucos acordes

todos os precisos

comme il faut...

Sua poesia É !


bj

Benny Franklin disse...

Soberba! A palavra flui que em ti!

Vieira Calado disse...

E este seu?

Surrealismo franco-português?

A ideia é boa.

Um abraço

Alice Salles disse...

Belissima tua arte...

Márcia disse...

Demais. Bravíssimo! Pense numa fã: eu. ;)))

Beijo.

rogerio santos disse...

Adorei também... beijo grande e compulsivo !

L. Rafael Nolli disse...

Um belo trabalho misturando dois idiomas altamente propensos ao poético!

Marcos disse...

Já havia gostado da primeira versão. Esta, acrescentada, modificada e embelezada, ficou ainda melhor. Aqui começou a sae formar a grande poetisa que se aprimora a cada verso.

Adriana disse...

Tu est la poetésse!;)

Audemir Leuzinger disse...

somos todos narrativas.
e que boas tecelãs como vc gravem nossas estórias.
parabens!

Barone disse...

Como disse o Audemir, boas tecelãs temos aqui.

fernando disse...

tece
a língua

puro esmero!

evoé beatriz!

Lírica disse...

J'aime les deux linguase. Encore plus quand ils sont ensemble dans la poésie.