terça-feira, 5 de novembro de 2013

QUESTÃO DE POESIA


adoro saborear a morte
com excesso de requinte
dizendo-o quando seja
um momento esperado

eu não espero nada
nem quero saber
acima de tudo
fico meio mudo

encaro o mundo
com uma surpresa
de defunto ao fundo
das palavras olhando

uma questão de poesia?
cada interpretação alia
uma verdade própria
do dia ou da noite

saio a andar
sobre a estranheza
desejando o regresso
para poder beber um copo

Acabo De Recordar

(tinha este título
para poder declamar
de castigo, uma vez, duas;

nem uma, calhou assim)

Um comentário:

Douglas Salino disse...

Olá! Adorei o poema. Aliás, todo o blog. Eu também escrevo. Amadoramente, claro, mas escrevo. Rs. Segue o link do meu espaço, caso queira conhecer:http://desastresdesalino.blogspot.com.br/?m=1

Espero que goste! Grande abraço!