domingo, 5 de fevereiro de 2012

ABERTA ()

a minha mulher
com o seu ar meigo
sensual e descuidado
está nua – passando              
nossa tarde de sábado
dedicada à leitura
dum romance

eu ouvindo música
com os olhos fechados
de auscultadores ligados
vivendo intensamente
a música aparecendo
magnifico estéreo

vi-a mover os lábios,
estava olhando a mim
com seu olhar tão lindo
onde se pintam suaves
nuas transparências

você vai querer tomar
meu corpo aqui mesmo
se o libertar das calças?
(pareceu-me ser isto.!.)

falou em libertar mas
não se levantou logo e
eu aproveitei e disse…

deixa-me escrever
teu convite em poema

pareceu-me ser isto.!.
(abri o parêntesis, ela
atenta, já percebeu…)

2 comentários:

Eleonora Marino Duarte disse...

"vi-a mover os lábios,
estava olhando a mim
com seu olhar tão lindo
onde se pintam suaves
nuas transparências"

aqui vejo uma cena para um teatro de perfeição amorosa. a ficção em ti poeta, adorna a realidade. raridade!

sou fã absoluta de ti*

um beijo***

Samara Bassi disse...

Guardei uma chave por baixo da renda.
Me surpreenda e entre!

(tive que repetir esses versos que aqui já postei rs)

Meu carinho,
Sam