segunda-feira, 12 de dezembro de 2011

Três poeminhas

I

Antônimos do universo

O próprio paradoxo
Um libertário caga regras
Liberdade,
só para sua verdade


II

Tive prazer ontem, um prazer necessário
Proporcionei um prazer superfluamente necessário
Aliviei minha culpa, que não é minha culpa
Fui feliz, ó fui, melancolicamente, hipocritamente

Acreditem ou não
Ninguém virá nos salvar
Os filósofos, os profetas, ninguém
Abriram, aumentam e aumentarão as trilhas
O caminho é infinito

Barato

Comedias baratas
Baratas na revolução nuclear
Cola é barata

Um comentário:

lucas repetto disse...

Versos (des)fragmentados de uma infinidade de pontos de vista de apenas um ponto de quem viu!