quinta-feira, 1 de setembro de 2011

Bálsamo

Que esta saudade alce vôo
como bando de pássaros.
Que ela morra sob o horizonte
como um pôr do sol.

Que o teu cheiro permaneça no ar
ainda que ausente.
E se espalhe em minha pele,
como um bálsamo.

E os meus olhos então
se encherão de mar,
e minha pele sentirá teu toque
distante
tão presente
em meu olhar.

2 comentários:

Kiro Menezes disse...

Caricias numa pele entregue a esse querer tão pleno de versos singelos!

Henrique Pimenta disse...

lira afinada

música boa