sábado, 12 de março de 2011

NATASHA

Então ela borrifou o perfume negro da volúpia.
Exasperado, procurei cumprir meu destino.
Proveria-a com o cerne da vida.
Com a maldade própria
daquelas que conhecem
o domínio do sexo
foi embora...

Neste ínterim, com mãos tremulas acendi o cigarro fatal.

Olhei o vazio da minha janela,
representava o vazio de minha mente-corpo.

Juntos desejamos tudo.
O vazio é o nascimento do amor.
Do amor que é vontade.
Da vontade nasceram-nascem-nascerão os possíveis mundos.

Dos encontros a continuação das espécies.

2 comentários:

Daniella Caruso Gandra disse...

Gostei muitíssimo, pois esse nome "Natasha" é enigmático, misterioso, assim como a vida, que como você mesmo diz "dos encontros a continuação da espécie". por isso, nunca poderemos estar completamente sós. Parabéns.

BAR DO BARDO disse...

"O vazio é o nascimento do amor." - eis um compêndio búdico!