terça-feira, 25 de janeiro de 2011

O assaltante

Pode, pode levar o que quiser de mim
Leva o celular, leva a carteira, os rins
E se puder, leva também meu coração

Pode, pode levar todo o meu dinheiro
Leva o relógio, leva o quarto inteiro,
O carro que eu ainda pago à prestação

Pode, pode ficar com minha sexta-feira,
Sábado e domingo, a semana inteira,
Leva contigo meu amigo violão

Senhor ladrão, encontrou o cara certo
Não pretendo reagir, eu não quero mais confusão
Vai pra casa e paga as contas da família
Só com esse assalto, faturou mais de um milhão

Pode, pode levar o que quiser de mim
Leva a TV, as flores do jardim
Mas por favor, não esquece o coração

Leva contigo os meus versos tolos
Leva os retratos, os quadros da parede
Pode levar também a minha rede
Os discos, o som, leva o liquidificador

Tritura toda essa loucura, esse descontrole
Essa agonia, a nolstalgia, minha cacofonia
Pode levar contigo os cacos, leva o fim do dia
Boa sorte companheiro, faça bom proveito

Não foi tudo em vão.

6 comentários:

BAR DO BARDO disse...

se há valor

que roubem

sim

Albuq disse...

Gostaria que me roubassem o coração... quem sabe né?! bjs, adorei!

L. Rafael Nolli disse...

Leo, bacana o poema - um inventário e tanto!
Abraços!

Kiro Menezes disse...

Nossa!!!

Quisera ser tal ladrão! Não o roubaria nada, somente os versos que destilasses,

Roubaria e faria amada de tão verdadeiras "delicatesses"...

Com carinho...

^_^•

Joe_Brazuca disse...

mais uma vez, só falta a melodia...

muito bom !

abs

Leo Curcino disse...

to ensaiando a melodia aqui. por alguns instantes, imaginei a Céu ou a Roberta Sá cantando. vai que cola!

obrigado a todos.