sexta-feira, 10 de dezembro de 2010

Terra da Luz

                                                                     (Autor da foto: Tulhão)


Terra da Luz
ROGERIO SANTOS
 
sinto um cheiro de lenha
no finalzinho da tarde
umas montanhas ao longe
o vento na copa das árvores
gosto de pó quando o carro passa
e a noite que vai chegando
enquanto a gente caminha
eu e Arlete de mãos dadas
traçando passos e planos
pelas margens do Rio Preto
ao fundo o canto das águas
nosso olhar virando lembrança
se transformando em saudade
mais tarde um queijo e um vinho
café e compota de tomate
e tem tanta gente que nem desconfia
onde mora a felicidade...

15 comentários:

João Luis Calliari Poesias disse...

Senti-a, agora..beleza.João Luis

Lilia Maria disse...

Nossa! Fiquei imaginando a cena.
Linda! Retrato da felicidade...

eduardo rodrigues disse...

Muito envolvente e delicado. Parabéns. Adorei.

Ricardo Mainieri disse...

A felicidade está nos detalhes e nas coisas simples.
É ótimo quando temos sensibilidadde para verter em palavras estes momentos.

Abraço.

Ricardo Mainieri

Kiro Menezes disse...

Arrepiei-me em sentimentos... lembranças... sinceridade!

Seu poema é retrato-saudade!

Nem comento a magnificência em tanta simplicidade...

rogerio santos disse...

Obrigado amigos, pelos comentários.
Simplicidade é fonte de tudo que é bom. É sofisticada.

L. Rafael Nolli disse...

Rogério, poema de uma beleza singela difícil de se alcançar. Abraços!

Francisco Coimbra disse...

Não passo sem dizer do agrado, de bom grado! :)

Albuq disse...

Essa sim é uma imagem bela tão bem descrita! bjs

THAIS DUQUE ESTRADA disse...

Lindo, Rogério!
...nosso olhar virando lembrança é demais!
Grande beijo pra vc!

rogerio santos disse...

Rafael, Chico, Lu e Thais... muito obrigado pelos comentários... eu ia publicar outro poema no dia, mas exatamente dia 09, escrevi esse novo texto e me disse tanto que resolvi mandar "de cara"...

Saudações Poéticas pra todos.
Rogerio

Adriana Godoy disse...

Bonito, Rogério....esse é o segredo da felicidade, as coisas mais simples da vida...bj

rogerio santos disse...

Adriana, vou lhe contar uma coisa:

Descobri esse poema aqui, depois de ler o teu verso:
"as montanhas me cobrem os olhos tão longe"

Ele estava lá... também na singeleza...

Beijão e obrigado !

Sérgio Araujo / Chico Araujo disse...

Rogério, a vida permitindo momentos, você tecendo versos com costuras de simplicidade.

É isso, amigo: sua poesia é expressão do frágil amalgamado à textura do delicado e ardentemente vivo.

Anônimo disse...

É meu amigo... a vida é sempre mais simples do que a vivemos.
muito bonito poema!
bjs
Luiz Domingo