quarta-feira, 24 de novembro de 2010

rósea como branca face amada



Ela disse:
estou de férias em casa
embora na verdade estejamos no mar
então eu a peguei olhando do espelho
e a forcei a concordar,
dizendo:
você deve ser a sereia
Que levou Netuno para um passeio
Mas ela sorriu para mim tão tristemente
que minha raiva passou imediatamente.
in fragmento de "A Whiter Shade Of Pale",
interpretação de Procol Harum.


Arte: Estudo de mulher (Rodolfo Amoedo)


O tempo parece paradoxal...
mas sabe também amigo, assim sinta-o.
O destino não comanda o pertencimento.
Há algo mais surreal, fantasmagórico,
posto estranhamento.

Entenda: ela é uma das virgens
escolhida para guardar o templo.
Manter acesa a chama dos sonhos
com a palidez dos sentimentos.

Maktub, assim está escrito!...

Há enorme beleza no gesto
Talvez a duas ou três décadas
vocês possam bailar essa canção.
O fandango que as mãos tonta-
mente aplaudiram pelo salão
Então verá sua face empalidecer
tornar-se ainda mais translúcida.

Certamente, você se inquietará
Atenderá aos cantos das sereias
no curso das marés em que faz
brilhar rios de arrecifes.
Porém, à Sherazade, ela bordará
fios d’ouro para que a narrativa
jamais o desmotive.

Assim estava escrito: não crê?
a chama permanecerá acesa.
E dar-se-á, enfim, o mergulho
às águas que, translúcidas,
afugentarão o oceano.

Sinta: a cama encontra-se posta.
E ela é rósea como branca a face
de sua amada.




Um comentário:

Kiro Menezes disse...

Este é para a primeira poesia. O julgamento da sereia... a triste peleia que ninguem conhece. Só julga.

Encontrei magnanima tua poesia!!!