terça-feira, 14 de setembro de 2010

ave, césar


Google imagens


[a ana c., ave]
valéria tarelho

1

sopro



ana c
tem sido (sombra)
constante
especialmente aos domingos
(cansativos, so boring)
em que ele dorme
(numa nice)
e cultivo
o eu insone
que consome livros
traça poesia
rói o osso
insosso do ócio
após a ceia
rica em mal passadas
vísceras
como só ana (sui
generis)
sabe cozer
:
loucura crua
doída lucidez

[e eu talvez
possua
:
pulso ou
pane pare_
cid(i)o]


2

a teus pés


aos domingos
sinto vontade
de jogar
ócio para o alto
e assistir caindo
— veloz
via remoto
[des]controle —
até tocar o solo

[ouço até o baque seco
do contato com o asfalto
vibro ao sangue
da não vida se esvaindo]

neste domingo
foi diferente: tive sede
gana de deixar tudo aí
no limbo tv
no lodo net
e simplesmente saltar
— saturado satélite —
do último andar
de um livro de ana c.

[livre
assim como ela:
ave]


3

azo

o pássaro
pousa
passivo
na pauta
do poente
pausa
em compasso
de espera
passa tempo
tempo passa
pensa
pondera
ousa
e abre
as asas
rumo
ao sol
no fim
do túnel


4

"os gêneros da poesia são: lírico, satírico, didático, épico, ligeiro"
[ana cristina césar]



ana célere

fez
do fim
da linha
poesia

[gênero ligeiro]

rimou
um pulo
com
epílogo

pingo
nos ii
em fim

9 comentários:

Ana F. disse...

Desde "A teus pés", Ana Cristina tem sido luz em minha vida. O caderninho terapêutico dela agora é meu... Adorei a postagem!
Beijo

Albuq disse...

Lindo! sem mais palavras

Priscila Lopes disse...

Adoro Ana, e às vezes também a invoco; nem sempre é bom.


Adorei especialmente o primeiro, Valéria.


Conhece Alejandra Pizarnik? Mais pra Sylvia Plath...

Um abraço.

Cíntia Thomé, Jornalista, Poeta . disse...

Valéria falar, escrever, sentir Ana C. é voar sem asas sobre suas letras, seu sonhos, seus porques. Viva você com versos de tamanha sutiliza e grandiosidade poética!!!!!


Bárbaro.

Renata de Aragão Lopes disse...

Val
e seu ritmo
impecavelmente contínuo...

Beijo,
Doce de Lira

L. Rafael Nolli disse...

Valéria, é sempre muito bom encontrar um poema tão inspirado, tão sincero e sentido. Muito bom!

NDORETTO disse...

_________A poesia líquida e certa. O poema que os olhos gostam de ler. Você escreve assim, adoravelmente_____________

Bj
Neusa

tenório disse...

Sempre saio impressionado dos poemas da Valéria. É muito talento. Quisera escrever com esse fôlego revelador.

rogerio santos disse...

Tarelho,

C me deixa aos talhos.
Finamente fatiado.
Alhos de mim.