segunda-feira, 12 de julho de 2010

Prosa poética - Proseando no mundo velho sem porteira

Algumas vezes quando ergo minha mão sinto o “shakra” receber a energia da totalidade - seja ela o que for – o que me levou a ser incapaz de ser sob um certo aspecto. Dedicar-me a um certo conteúdo a finco, como a maioria dos mortais.
Só pode ser aquilo que deve ser aquilo que ilumina toda humanidade:
A vontade de Ser Deus!
Sempre interessado por tudo, sempre interessado pelo cume do metal metafísico...
Ambicionando tudo aquilo que traz dor-êxtase- omeprasol-lsd-drogas-espasmos-psoriase- gozo –corpo-inconsciente-morte.
Se saber para além da linguagem ergue algo;
Se saber para além da fenomenologia implica em algo;
Se cada-todo-nenhum-ser –não-ser-aquém- entre- além –transcendental- aos- prévios- conceitos-
Ilumina minha própria possibilidade de ser completo.
Pelo menos enquanto algo eu se julga eu

2 comentários:

TON disse...

Me lembra Pessoa, essa "embolada" dos "eus".

Carlos. Branco. disse...

muito bom,
gostei muito,
"EU"