terça-feira, 6 de julho de 2010

Corrente

há corrente
de prender
e de soltar

água doce
de neve
e navegar

onde vagas
as mágoas
vão morar

por saber
saber calar

e ceder
e mergulhar

na corrente
de prender
e de soltar

de olhares
e molhares
feito mar

3 comentários:

meetmarcos disse...

É Vida fluida,
fluindo direto da
poesia.

muito bom, mesmo.
abraço

Renata de Aragão Lopes disse...

Tão melodioso...
Adorei, Rogério!

Um beijo,
doce de lira

Hercília Fernandes disse...

Adorei nadar nas águas de seu "rio", Rogério. Deliciosos são os versos!

Beijos,
H.F.