terça-feira, 27 de julho de 2010

Aprendizado

Em nossos olhares um estranho ballet de reminiscências.
De dúvidas são feitas o Amor.
No porão das minhas angústias não há mais nenhum medo.
Nenhum sigilo ou segredo.
O cofre de minh’alma arrombado.
Vísceras expostas, saudades mutiladas.
Meias-verdades inacabadas.
Estou triste. Só isso.
E sei como bem vinda é a alegria.
Mas permaneço triste.
Essa tristeza que parece até edificar a vida.
E que, como troco, lhe dá algum sentido.
Logo, logo ela passa e volto a ver meninas com tranças dançando na chuva.
Mas deixa eu vivê-la: errado ou certo, aprender com ela.
Deixa ela escorrer em minhas lágrimas mudas até o final.
Logo amanhecerei sorrindo, cantando, dançando e feliz.
É que dessa tristeza eu sou aprendiz.

Alyne Costa, Julho de 2010

Um comentário:

Albuq disse...

ao menos prá isso a tristeza serve: ela ensina, ensina a viver.

lindos versos, bjs