segunda-feira, 21 de junho de 2010

Efêmero

Percurso de vida

Amores, amigos, sorrisos

Na vida eterno percurso se faz



O ato

Atado de gente que pede socorro



Socorro de amor

Socorro de sonhos

Socorro de vida



Quão doce amizade

Espelha-se na fragilidade

Onde o poema chega à superfície

Busca o ar

Expira mais um sopro de felicidade

4 comentários:

The Butterfly disse...

Oi, gostei do poema.
Se quiser ver o meu.
valeu

Flávio Machado disse...

Um belo poema
abs

TON disse...

Gostei muito. É como se o poeta fosse outro ser dentro de nós, e se manifestasse por meio de versos. Às vezes, tentamos incorporá-lo, mas nem sempre ele vem. Ele prefere abduzir-nos de surpresa.

Cíntia Thomé, Jornalista, Poeta . disse...

Catia, parabens...inteligente, urgente clamor...adoro como vc escreve. abs