segunda-feira, 28 de junho de 2010

Duo

Soneto, Diamante & Grafite

Gostar-me-á do nada.

Pensar-me-á no fulerenos,
Cura danada
De todos os venenos.

Química dos eternos.

Física hibridizada
À amada.

Menos do menos.

Buscar-me-á a imortalidade
Finita
Da saudade.

Mostrar-me-á a realidade
Infinita.

carbonidade.

***

Haikai, Estações & Aves

Ao céu de Eros
no quente inverno
um amor passeriforme

***

Um comentário:

Cíntia Thomé, Jornalista, Poeta . disse...

ótimo poema transcorre todo em beleza e inteligencia..parabens ab