segunda-feira, 19 de abril de 2010

Insanidade, despudor e desatinos


Aprisionado por palavras,
insana, infame pena.
Debaixo de um tapete
somente poeira.
Restos de pensamentos,
retalhos mortos
de carne humana.
Fotografia,
fotocópia,
revistas
e jornais.
Notícias velhas,
quadrinhos e esquadrilhas.
Jato de ar,
jarro de água,
jeito traiçoeiro
de afugentar crianças.
Caretas, picaretas,
marretas e arpão.
Guloseimas,
balas,
chicles de menta,
arrebento de nostalgia.
Melancolia, melancia,
flacidez
e guerra-fria.
E onde está o povo?
Voando por aí?
Buscam novas fontes,
fronteiras e minas,
lindas meninas
de vestido de chita.
Enquanto a mais bonita
faz tranças no cabelo
e seguindo o mesmo zelo
o pai descansa
na rede,
lugar onde a sede
não o alcança.
Chapéu quebrado na testa,
que vida é esta
cheia de preguiça?
Início de semana
e a cidade se inflama
por estas loucuras.
Desvelo,
falta de zelo,
rompe o lacre,
arranca o selo
e os loucos saem
pelas ruas,
mente insana,
pele nua,
desnuda de qualquer
pudor,
sem qualquer
poder sobre os demônios
que ladeiam
a gamela.

Flávio Offer
http://flaviooffer.blogspot.com/
Poema publicado nos livros:
“Grandes Escritores de Minas Gerais vol.III – Rio de Janeiro: Litteris Ed.: 2004.”
“CATA VENTOS – o destino de uma Poesia/ Flávio Otávio Ferreira. – Rio de Janeiro: Litteris Ed.: KroArt, 2005.”

5 comentários:

jefhcardoso disse...

Olá Flávio! Esta semana estou divulgando uma “nova” postagem. Trata-se de um conto; que na verdade vem a ser uma reedição de meu blog. Sua postagem original ocorreu em 13.02.09; sendo esta a minha terceira postagem no blog. Naquela ocasião este texto não recebeu nenhum comentário. O texto é “O Sr. e o Dr.”. Espero que você, tendo um tempinho, o aprecie.
Um grande abraço, minha gratidão e desejo que tenha uma ótima semana!

Jefhcardoso

Lírica disse...

Delícia de texto, boas idéias fluindo. Onde "pena" e "preguiça" se insinuam vejo mais é resignação... E ali, onde a censura se quebra, a sinceridade é emocionante.

lrafaelnolli disse...

É isso aí, Flávio, mandando muito bem! Já conhecia o poema, bom ler de novo! Valeu!

Leo Curcino disse...

"Melancolia, melancia,
flacidez
e guerra-fria."

bonito como vc fez tudo isso combinar!

Barone disse...

Muito bom Flávio!