sábado, 12 de dezembro de 2009

*
*
*
*
*
Cruzeiro Marítimo
*
*
A claridade da manhã salpicada de rorejo
atravessa as frinchas da veneziana
e se atira
sobre essa pele de damasco

, ó gitana de Guadix
e ouso inferir
que tua musculatura
rija----------
de tanta noite
exora massagens
*
um passeio
----------
de minhas mãos
*
mas
como dormes
com essa expressão
cevada
e plena
refreio-me
a vigiar
as subidas e descidas
de teu ventre
meio mouro
*
*
E deste ponto central
------------------da sobrequilha
onde o mastro prende a vela
a uma doidice tremulante,
eu
marinheiro laico
dou-me às vagas
desse mar bronzeado
jamais singrado
por um discípulo de Sagres
*
e naufrago nas bordas d’uma ilha
*
desse mais
tormentoso
pacífico
de teu
sul
!
*
*

6 comentários:

Carol Mioni disse...

Atravessei o pacífico visualizando o movimento dos quadris...bela viagem!

Benny Franklin disse...

Poema que tem a marca de um dos grandes poetas brasileiros.

Boa, Assis.

De prima.

Adriana Godoy disse...

Assis, um poema tão erótico escondido nessas imagens belíssimas. Bravo, poeta, mais um que faz a diferença. beijo.

L. Rafael Nolli disse...

Ótimo.

Vera Pinheiro disse...

Assis, estou atrasada no abraço, então vai abraço em dobro. Lindo!

Joe_Brazuca disse...

um pós-concreto bem explorado.
Ficou muito bom, estética e sonoramente.

eu fui salvo do naufrágio...

Muito bom, Assis !