segunda-feira, 12 de outubro de 2009

*
*
*
*
*
Tocata à Confusa em Três Movimentos
*
( Ao poeta Fabrício Carpinejar )
*
*
Desceram a ladeira
as três confusas
e instilou-se

no lacre da casa
a três-em-uma:
a de humor avesso
a gralha eufórica
a que se viu guerreira
*
e hoje vive(m) no ranço
*
*

Mas tudo começou muito antes
no dia em que assomou à cuesta
num vôo prosaico
de vira-bosta matreira:
pura raque
sem pluma ou carne
a examinar
a horta
*
*
Tentou imperar
mas não conseguiu

então desmandou
sem êxito
de modo a restar
apenas
seu retorno consentido
e gratificado
pro lugar de onde vieram
*
: debandou-se
com o rabo entre as pernas
- caniços de junco
palafitas parcas
das várzeas
da hiléia
*
*
Foram como vieram
ladeira abaixo
mas de traz pra frente
*
a quatro-em-uma
co’a bunda na proa
*
percorrendo os vales
abarbatados na neblina
*
os mamelões
sarapintados de malerbas
*
talvez já com 5, 6
facetas
mal lapidadas
num único grão
de carbono vil
*
*
*
*
Hoje cai noite fria
e o futuro é incerto
*
*
Uma lagartixa
mostra a pança na vidraça
e o céu é carijó de tanta estrela
*
*
*
*
O que há de mais certo
que ser monge ?
*
*

- OMMMMMMMMMM -
*
*
*
_________________
Obs.: Algumas pessoas que leram este poema estranharam a maneira como empreguei os verbos- ora na terceira pessoa do singular, ora na do plural. Minha intenção foi exatamente esta: deixar claro que a criatura retratada (aliás, com bastante fidelidade) vai de una à múltipla, e vice-versa, com uma espontaneidade espantosa.
*
*

6 comentários:

FláPerez (BláBlá) disse...

Excelente!
tbm gosto de misturar pessoas:é bem mais natural e útil sim.
tenho até um poema onde digo:"pq não posso misturar tu e você...são a mesma pessoa..."
ou algo assim...

FláPerez (BláBlá) disse...

a do monje está impagável!

Adriana Godoy disse...

Assis, que belo poema, de tanta qualidade e beleza que surpreende eu, tu e nós. Mais um que engrandece esse espaço. Parabéns. Beijo.

L. Rafael Nolli disse...

Muito bom, meu camarada. Interessante o emprego do verbo utilizado. Quero destacar uma frase em especial, que por si só é um grande poema: "e o céu é carijó de tanta estrela". Abraços.

Felipe da Costa Marques disse...

verberaste com gosto, chico.

bela homenagem.

abraço

Joe_Brazuca disse...


uma

verdadeira sim-

___________fonia

obra_______de

prima