quarta-feira, 12 de agosto de 2009

O Tempo no Vento


Caros, estou postando hoje o poema do nosso companheiro Chico Mello. Não consegui formar o poema da forma original. Mas aí está ele, belo como todos os poemas que o Chico expira.
-

( Aos poetas Contador Borges
e Marcelo Tápia )


Areia e cinza:
o vento embaralha
passados
que nunca morreram


Um polvo espreita
a fuligem das eras
sem saber de rajadas
ou fogo

e não avalia
o que nos
acomete


Nada além do humano
retorna do espelho

só nós nos mutilamos
no intento de talhar
a própria sombra
para sermos
celebrados


O passado, perene, se amolda
a cada instância
, o presente é um ontem
requentado
& o futuro
são gavinhas da mesma rama


O Olho
do cão


O olho do cão
não se estatela
: não lhe há pensar em morte


O sono
do cão


O sono do cão
é tranqüilo
no trapo de um hoje sem tempo


Areia e cinza ao vento:
grande bobagem
ensinar os filhos
a chorar seus mortos

4 comentários:

BAR DO BARDO disse...

De fato, como sempre, muito bom!

Nydia Bonetti disse...

beleza de poema, barone. e que imagem. abçs.

Adriana Godoy disse...

O Chico sempre arrasa pela forma com que constrói seus poemas. Esse é mais um que inspira, a natureza como pano de fundo(ou frente) servindo para desmascarar as emoções mais profundas do ser humano. Beleza,Assis de Mello. Beijo.

cristinasiqueira disse...

Meu Deus Barone!



Que beleza,

Cris