segunda-feira, 6 de julho de 2009



Voando por sobre as cabeças
ROGERIO SANTOS

O poeta impresso em folha
não tem rosto.
Tem falha, tectonismo, aposto.

Cada linha num sentido
faz crescer a cordilheira.
E o poeta, como um anjo,
pode ver a Terra inteira.

No mirante imaginário,
o poeta agora é mudo.
Cria asas contemplando,
salta em crase e acento agudo.

Voando por sobre as cabeças,
suas asas circunflexa.
E o poeta se espatifa e ri a beça.

8 comentários:

Renata de Aragão Lopes disse...

Gostei muito, Rogério!
Divertido e verdadeiro:
"O poeta impresso em folha
não tem rosto."

Adriana disse...

Rogério,estás aqui,lindamente como sempre....e um soneto de crases e acentos agudos.Gostei muito,viu?

Adriana Godoy disse...

Belo voo, Rogério. Gostei de seu quase metapoema. Beijo.

Victor Meira disse...

Gosto da poesia também. Rimas comportadas e humor delicado, quase ingênuo no fim.

PS: alguém imaginou o rogério santos voando por sobre as cabeças?

sidnei olívio disse...

E o poeta cria asas e voa na metalíngua onde o poema pousa. Grande, Rogério.

Felipe da Costa Marques disse...

Belo Soneto,

Vi Um Poeta Voador !

Congratulações !

rogerio santos disse...

Grato pelos comentários !

Abraços
Rogerio

tenório disse...

Gostei muito! Me deixou leve!