sábado, 4 de julho de 2009

Quebra tudo

adeus meus elepês
so long meus cedês
agora sou só música
em megas de emepetrês

adeus poemas de papel
goodbye direitos autorais
sou um texto sem dono
sou um never more nunca mais

adeus artista revolucionário
bye bye criador de dicionário
seu mundo acabou e nem te avisou
que o futuro chegou múltiplo
e binário

you lost

otário.

10 comentários:

BAR DO BARDO disse...

São os bens contempporâneos. Há bens que virão para males?

Renata de Aragão Lopes disse...

Excelente poema!
Seu bom humor impera!

Repito a indagação do Henrique:
"há bens que virão para males?"

Cris Carnaval disse...

Muito bom! Como sempre! Que orgulho! Parabéns e beijos!

Bea - Compulsão Diária disse...

Original e bem feito. onomatopéia da contemporaneidade

Francine disse...

Realmente, sentirei saudades de meus poemas de papel e de meus dedos sujos de tinta...

Tenório disse...

Muito bom, seu Tião! Engrosso o coro da saudade...

Tião Martins disse...

Vou contar uma coisa pra vcs: sinto saudades de um monte de tralhas na vida. Mas como sou novidadeiro minha saudade dá e passa. Rs.

Abraços a todos.

Barone disse...

Hehehehe.

Felipe da Costa Marques disse...

Como Sempre Estralhaçando Qualquer Coisa ! Boa Tião !

Tião Martins disse...

Poxa Felipe, me senti até um predador! rsrsrsrsr