quarta-feira, 1 de julho de 2009

[louvo a noite a divina noite ilesa]

quando as palavras me não chegarem
irei colher a estrela morosa no mar
no mar que a terra me deu
ainda que me atormente o sangue de um açoite
louvo a noite a divina noite ilesa
onde rebenta a tristeza
ou uma rosa.

maria gomes

7 comentários:

Barone disse...

Que maravilha Maria.

Vera Pinheiro disse...

Maria, eu aprecio muito os teus poemas. Beijo!

BAR DO BARDO disse...

MG, é covardia eu fazer algum comentário acerca da perfeição...

Adriana Godoy disse...

Belíssimo!

Renata de Aragão Lopes disse...

Uma maravilha...

tania não desista disse...

lindo,maria! sem dúvidas, a mais suave e bela..das escuridões!

Benny Franklin disse...

Demais, Maria!