quarta-feira, 1 de julho de 2009

...

Respiro teu perfume
em meus dedos de seda
Me alimento do teu gosto
em meus lábios crispados

Na fina pele
percebo teus gemidos
Na ponta da língua
me abasteço
de você

E o poema nasce assim,
órfão de sentidos
repleto de ti

Se esparrama
como sêmen
sobre a pele incauta

Ocupa o espaço
onde, antes,
nada.

11 comentários:

Adriana Godoy disse...

Barone, muito lindo, especialmente:
"E o poema nasce assim,
órfão de sentidos
repleto de ti". Uau...beijo.

Vera Pinheiro disse...

Romantismo fica tão bonito nos homens também... Adorei! Mas para ser honesta (e será que devo, em se tratando de poesia?) só faria um reparo quanto ao uso de você e tu ao mesmo tempo. Uma licença poética, talvez? Um abraço, Barone!

Batom e poesias disse...

Nasce exatamente assim...
o poema...
Muito bom!

Rossana

L. Rafael Nolli disse...

Um belo poema de amor, repleto de sensualidade. O arremate final é muito bem construído!

BAR DO BARDO disse...

Barone, seu ponto de vista parou na letra gê???

Bom texto, cheirando a sexo.

E isso é muito bom!

claudia disse...

Lindo texto, extremamente sensual! Adoro!!!

http://cjorge.zip.net

Renata de Aragão Lopes disse...

"Ocupa o espaço
onde, antes,
nada."

Lindo desfecho para um belo poema!

Alice Salles disse...

"órfão de sentidos
repleto de ti" Sinto isso tanto!

tania não desista disse...

oi,barone! perfeito aos extremos...o amor é assim... torna-se morador de todos os espaços vazios, dentro de nós . um deleite!
abrs
taniamariza

Benny Franklin disse...

Muito bom!

Barone disse...

Obrigado pessoal.